Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

:) CanalSonora (:

_________________________________ a 37° 7′ 0″ N, 7° 39′ 0″W ____________________________ ~pequenos livros ~ grandes segredos ~ volumes portáteis ~ emoções resguardadas~

:) CanalSonora (:

_________________________________ a 37° 7′ 0″ N, 7° 39′ 0″W ____________________________ ~pequenos livros ~ grandes segredos ~ volumes portáteis ~ emoções resguardadas~

DÁRIO AGOSTINHO | foto | grafias

Maria Afonso  sobre  foto | grafias

 

londres-317-copy.jpg

 

Um sótão repleto de caixas de memórias. Algumas chegaram por carta, pedaços de papel grossos a que o tempo vai golpeando os cantos. Quantas vezes olhámos a mesma fotografia só para termos a certeza de que existimos. Ainda que nada saibamos das fotografias mais belas amamos a nitidez ou o desfoque. Os jogos de luz e sombra. A nostalgia num pedaço de papel que não se vê. Todos os silêncios. O sobressalto da cor. Inventamos uma câmera por dentro e aprisionamos a luz. Adormecemos nas pregas das vestes de uma deusa grega. Tombamos em gestos puros cristalizados no infinito. O tempo reclama-nos os olhos. Os sentidos baralham-se no estrondo das palavras.

Quanto tempo demoramos a olhar uma fotografia?

Uma fotografia não é um poema?

Dário Agostinho tem duas armas poderosas na mesma mão. Câmera e palavras. Uma obriga-nos a contemplar, a outra a pintar. Uma parede ao fundo pode ser o movimento de translação a cumprir-se. Sem pontos finais. Os pontos finais interrompem o silêncio. O silêncio é um sopro de poalha. Brilha no sótão. Retarda a imagem e perpetua a palavra.